terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Nossa cidade tem jeito?

Mesmo com todo o amor, com as raízes aqui consolidadas e com toda a boa vontade do mundo, as vezes bate aquele desânimo em relação a nossa querida União da Vitória. Se olharmos para nossa história passada, veremos que tínhamos tudo para ser um grande polo regional e estadual. Posição privilegiada, as margens de uma rodovia que leva quase toda a produção do sul até o maior centro comercial do país, reservas naturais, belezas infinitas, o majestoso rio Iguaçu, enfim inúmeras vantagens sobre a maioria das cidades paranaenses, entretanto ficamos para trás. Francisco Beltrão, Pato Branco, Cascavel, Toledo, Campo Mourão, Maringá, Londrina, entre outras, eram pequenos vilarejos enquanto União da Vitória já era a terceira maior cidade do Paraná, O que aconteceu? Porque ficamos parados no tempo?
Se fosse um fórum de debates, certamente teríamos muitas respostas, porém uma provavelmente seria quase unanime, escolhemos muito mal os nossos representantes, aqueles que tomaram decisões por nós ao longo da história. Escolhemos mal e fazemos ainda pior quando não cobramos e não apoiamos aqueles que nos representam. Uma das características em comum que as cidades do sudoeste, oeste e norte do Paraná acima citadas tem, é que eles não ficam tentando um derrubar o outro e nem fazendo denuncismo vazio somente em busca de poder, cargos e dinheiro para indivíduos e grupos. A rivalidade e as brigas lá (especialmente em Francisco Beltrão e Pato Branco que conheço muito bem), é para ver quem produz mais e faz mais pela cidade. Cabe lembrar que um dos deputados responsáveis pelo alavancamento do crescimento no sudoeste do Paraná, chama-se Deni Lineu Schwartz, que era de União da Vitória, e que por aqui não ter apoio e não ter sido valorizado, fez muito, por outra região. Outros lideres que, embora tiveram suas falhas, sempre foram achincalhados por aqui, mas produziram muito por outras cidades. Certamente muitos podem discordar e com certeza outros motivos existem, mas é certo que não podemos continuar a cometer os mesmos erros, se é que queremos que nossa cidade volte a crescer e tente recuperar um pouco do tempo perdido. Caso contrario continuaremos vivendo de "pão e vinho, circo, carnaval, denuncismo" e certamente continuaremos a receber em troca o atraso total.
A reflexão final deste texto é que, se nossas lideranças abrirem mãos de interesses pessoais, de grupos e famílias e se dispuserem a realmente defender os interesses da cidade, ainda podemos recuperar, pelo menos em parte, o espaço que perdemos ao longo das últimas décadas. E a população precisa fazer a sua parte, apoiar, mas quando chamada as urnas, escolher melhor vai ajudar bastante.

União da Vitória - PR - 127 anos - Aproximadamente 60 mil habitantes.
Perspectivas de crescimento: baixa, próximo de 10% para os próximos 10 anos

Francisco Beltrão - PR  -  65 anos - Aproximadamente 100 mil habitantes
Perspectivas de crescimento: Altíssima (Entre as mais altas do país)
Previsão de 50 a 60% nos próximos 10 anos

Cascavel - PR  -  65 anos - Aproximadamente 250 mil habitantes
Perspectivas de crescimento: Alta
Previsão de 30 a 40% nos próximos 10 anos