segunda-feira, 23 de outubro de 2017

A mídia retrata, critica, sugere ou impõe a realidade.


Quando retrata, é mídia passiva, apenas útil como espelho para mostrar o que já se vê no dia a dia.
Quando critica, avalia, aponta equívocos, destaca virtudes, insinua causas e consequências, faz pensar.

Quando sugere, aponta caminhos, propõe alternativas, conjectura possibilidades, abre debates, faz antever novos cenários.
Quando impõe, desrespeita, acha-se dona da verdade, almeja implantar uma nova e sua realidade, agride, insulta, desconsidera valores, fecha os olhos para a realidade que está, em favor da que pretende implantar. É radical e, por isso, opressora e perversa.
O que temos hoje no Brasil é a tentativa de implantação da mídia impositiva, em prejuízo crasso da reflexiva e crítica; em prejuízo óbvio da que é racional, da de bom senso e da plausível.
O caso que gera agora reações das pessoas, trazido ao ar pela Rede Globo de Televisão, com as recentes reportagens, edição do Fantástico, defesa de teses e ideologias absurdas, é uma demonstração clara da tentativa dessa mídia impositiva e perversa de estabelecer-se e, pior, prevalecer. Aconteça isso, e teremos instalada a ditadura midiática, agora ditando não cortes de cabelo, vestuários e grifes, mas ideologias, hábitos e comportamentos.
Nada mais avesso aos princípios cristãos, zelosos dos bons costumes de uma moralidade equilibrada e fortemente embasada numa espiritualidade saudável, onde a mente é desafiada a um constante inconformismo com realidades más e improdutivas; onde a consciência crítica é estimulada para provocar mudanças positivas nas realidades vigentes. Do ponto de vista cristão, a realidade não é destino, especialmente quando se apresenta débil, enferma, exibindo contornos de crueldade e de maldade.
Por esta razão, nós, do Blog do Paulo Lemos e a página, “Família Cristã”,  (https://www.facebook.com/familiacrista.euacredito/) de um modo geral, nos indignamos com esta postura ditatorial da Rede Globo, ao colocar no ar cenas, reportagens e programas, essencialmente as novelas que, além de não retratarem a realidade, pulam a etapa da reflexão e insistem na tentativa de convencer as pessoas que o lixo é bom, que o podre é nobre e que a imundície é saudável. Nossa indignação é reagente a este persistente esforço da Rede Globo, mormente através da sua dramaturgia, de destruir a família, esculachar o casamento segundo o modelo bíblico, entre um homem e uma mulher, legitimar o adultério como caminho viável à felicidade e a mentira, traição e falsidade como ferramentas sadias para se conseguir o que se deseja. Indignados, nos manifestamos objetivamente contra as novelas e os programas da Rede Globo que seguem nesta trilha nefasta, desmanteladora da família e demolidora dos valores cristãos, bem como contra qualquer outra emissora, ou qualquer forma de mídia, instituição ou governo, que vá na mesma direção.
Pela total falta de democracia na Rede Globo, não temos outro caminho se não propor e sugerir total e irrestrito boicote a toda sua programação bem como todas as suas ações.